Escultora, ceramista e louceira, Ana Leopoldina Santos, conhecida como Ana das Carrancas, foi detentora de uma das mais destacadas trajetórias artísticas do sertão pernambucano. Ao longo de mais de cinquenta anos, suas carrancas elaboradas com o barro extraído das margens do Rio São Francisco, na cidade de Petrolina, lhe trouxeram sustento, trabalho e reconhecimento.  

As obras de arte popular são desenvolvidas por artistas de forma manual. Podem conter diferenças de cor, imperfeições, ranhuras e assimetrias.